Linkagens: O Irã se despede da Copa do Mundo no Qatar

30/11/2022



Salam amigos! Para quem está acompanhando a Copa do Mundo no Qatar, esta parece ser a "copa dos protestos".  Em meios a protestos no país, muitos iranianos não estavam apoiando a seleção nacional. Já dentro dos estádios, uma torcida dividida entre vaias, slogans de protesto pela liberdade das mulheres, apoiadores incondicionais e meros espectadores. A eliminação do Irã na última partida nesta terça (29/11), é comemorada por muitos como uma vitória contra a opressão do governo. Nas linkagens de hoje, o Irã se despede da Copa, mas nos deixa uma reflexão sobre o futuro do povo iraniano.

Estados Unidos vencem o Irã e avançam às oitavas da Copa do Mundo

Pulisic faz o gol decisivo dos Estados Unidos contra a seleção do Irã (Crédito: Odd Andersen/ AFP)

Os Estados Unidos venceram o Irã por 1 a 0, nesta terça-feira, no Estádio Al Thumama, e avançaram às oitavas de final da Copa do Mundo. A seleção norte-americana ficou com a segunda vaga do grupo B, com cinco pontos (atrás da Inglaterra). O Irã batalhou até o fim atrás do gol de empate que o colocaria no mata-mata. Ficou em terceiro, com três pontos, e se despede da Copa.


Os Estados Unidos precisavam da vitória para se classificarem e começaram a partida bem seguros, apostando no poder ofensivo, principalmente pelos lados. Com pouca criatividade no meio-campo, a seleção iraniana tinha dificuldade de fazer a ligação direta entre defesa e ataque no primeiro tempo.


A seleção americana conseguiu furar a boa marcação dos iranianos para fazer o primeiro gol, com Pulisic. No lance, o jogador teve um choque com o goleiro iraniano e recebeu atendimento médico, sendo substituído no intervalo. Já o goleiro do Irã  Beiranvand, que ficou fora da segunda rodada por ter quebrado o nariz em um choque na partida de estreia, jogou como titular na partida decisiva.


No segundo tempo, os americanos mantiveram o ritmo de jogo nos minutos iniciais e tentaram ampliar o placar. Aos seis minutos, o Irã teve a primeira finalização no jogo com Ghoddos. Depois desse lance, os iranianos tentaram controlar mais o jogo por meio de troca de passes. Sem eficiência, não conseguiram o empate.


Nos minutos finais, a seleção do Irã pressionou mais com bolas cruzadas na área. Pouraliganji por pouco não fez o gol em uma cabeçada nos acréscimos. 


Fonte: Lance  (publicado em 29/11/22) 


Jogador do Irã chora com eliminação na Copa do Mundo, agradece apoio da torcida

O volante Saeid Ezatolahi chora com a derrota da Seleção Iraniana  (Foto:Fadel Senna / AFP)

O volante Ezatolah ficou abalado com a eliminação, mas agradeceu ao apoio dos torcedores no Mundial. 

"Antes de tudo, quero agradecer a todos os nossos torcedores, que hoje nos apoiaram como sempre. A única coisa que posso dizer a eles que realmente sinto muito. Em nome dos antigos jogadores e do nosso grupo, não tivemos a oportunidade de nos classificar para a próxima fase. Mas o futebol e a vida estão acontecendo, então, isso pode ser uma boa lição para nós. Pelo menos para os nossos jovens jogadores, como eu, e para o futuro. Espero que os nossos fãs e nosso povo no Irã nos perdoem" - disse o jogador.


Fonte: Terra  (publicado em 29/11/22) 


Técnico Carlos Queiroz se despede do Irã após eliminação na Copa do Mundo

Técnico Carlos Queiroz se despede da seleção do Irã após a última partida  (Crédito: Instagram)

Nesta quarta-feira, o técnico português Carlos Queiroz utilizou as suas redes sociais para se despedir da seleção iraniana:

"Rapazes e queridos amigos, no futebol não há essa coisa de vitórias morais, mas também não é contrário à moral quando não alcanças os teus sonhos, desde que tenha dado o teu melhor com toda a vontade e mentalidade vencedora. Estou orgulhoso de vocês, foram mais uma vez brilhantes dentro e fora do campo", escreveu.


Fonte: Terra  (publicado em 30/11/22) 


Jogadores dos Estados Unidos abraçam jogadores do Irã após a Eliminação da Copa do Mundo 

O zagueiro iraniano Ramin Rezaeian e o atacante dos EUA  Timothy Weah conversam amigavelmente após a partida (Crédito: Divulgação) 

Em um exemplo de empatia de classe mundial, vários membros da seleção dos Estados Unidos consolaram seus oponentes após o apito final. O exemplo mais visível disso veio quando o zagueiro Antonee Robinson foi visto consolando o zagueiro iraniano Ramin Rezaeian. Os dois se abraçaram em campo após 100 minutos de jogo. Em outro lugar, Josh Sargent e DeAndre Yedlin, dos EUA, foram vistos conversando com o zagueiro iraniano Saeid Ezatolahi, que estava chorando sentado no chão.

O atacante dos EUA Timothy Weah, mais tarde se juntou a seus companheiros para consolar Ezatolahi, colocando-o de pé e falando em seu ouvido. Mais tarde, ele falou sobre por que sentiu a necessidade de fazer isso:

“Acho que é mais do que apenas futebol”, Weah disse à Fox Sports. “Acho que os Estados Unidos e o Irã tiveram tantos problemas políticos e eu só queria mostrar que somos todos seres humanos e que todos nos amamos. Eu só queria espalhar paz e amor e mostrar a ele que viemos de origens diferentes, crescemos de maneira diferente. Ele ainda é minha família, ele ainda é meu irmão e eu o amo da mesma forma que os caras com quem cresci.”

Embora os Estados Unidos tenham saído vitoriosos, não havia inimigos em campo quando a partida terminou.

Fonte: Jugo Mobile (publicado em 30/11/22) 


 Irã x EUA: entenda por que o confronto na Copa vai muito além do futebol 

Partida entre EUA e Irã em 1998 foi chamada de "jogo da paz" (Crédito: AFP/Pascal George)

Vinte e quatro anos depois do primeiro duelo em uma Copa do Mundo, Irã e Estados Unidos protagonizaram nesta terça-feira (29) um confronto valendo vaga nas oitavas de final da Copa do Catar.


O técnico americano Gregg Berhalter se esforçou para dissipar qualquer conotação não futebolística do jogo contra o Irã: "A partida será muito disputada pelo fato de que as duas equipes querem passar à fase seguinte, não por questões políticas ou de relações entre os nossos países", declarou Berhalter.


A mensagem de Berhalter, porém, foi atropelada pela própria federação de futebol dos Estados Unidos, que causou grande polêmica ao postar uma versão modificada da bandeira nacional iraniana em suas redes sociais. Os porta-vozes da US Soccer justificaram o gesto como sendo um ato de "solidariedade com as mulheres do Irã". A postagem, que posteriormente foi removida, irritou a federação do Irã, que apresentou uma queixa formal à FIFA.


Copa de 1998: "O Jogo da Paz" 


Irã e Estados Unidos já viveram um duelo memorável na Copa do Mundo na França, em 1998, com uma vitória por 2 a 1 para os iranianos no Stade Gerland, em Lyon. Considerado como um momento de destaque daquele Mundial desde o sorteio dos grupos e batizado como "Jogo da Paz", o confronto aconteceu um ano depois da eleição de Mohammad Khatami como presidente do Irã, que marcou um período de reaproximação entre o Irã e o Ocidente.


No momento da entrada das equipes em campo, ambas as seleções posaram juntas para fazer uma foto histórica. Os iranianos, classificados pela segunda vez em sua história para disputar um Mundial desde 1978, inclusive ofereceram um ramo de flores brancas a cada jogador dos EUA.


Ao final, o Irã ganhou, e milhares de pessoas foram às ruas de Teerã para cantar e dançar. "Fizemos mais em 90 minutos do que os políticos em 20 anos", afirmou na época o zagueiro americano Jeff Agoos.


Mas a vitória não foi suficiente para levar o time às oitavas de final. A seleção iraniana acabaria sendo eliminada após derrota para a Alemanha por 2 a 0, também na fase de grupos.


Fonte: G1  (publicado em 29/11/22) 


Por que torcedores e jogadores iranianos protestam na Copa do Mundo?

Torcida do Irã com uma faixa, em inglês, com os dizeres: "mulher", "vida" e "liberdade" (Crédito: Fadel Senna / AFP)

Primeiro, os jogadores iranianos não cantaram o hino em sua estreia na Copa do Mundo, contra a Inglaterra. Depois, após a grande repercussão do ato, murmuraram versos antes da vitória frente ao País de Gales. Agora, nesta terça-feira (29), mais uma vez voltaram a cantar a canção sem muito entusiasmo antes da partida com os Estados Unidos.

Nas arquibancadas, os torcedores foram mais diretos. Vaiaram o hino no primeiro jogo. Levaram bandeiras e cartazes defendendo “a vida”, “a liberdade” e “as mulheres” no segundo. Usaram camisetas com o nome da jovem  Mahsa Amini no terceiro. Foram, literalmente, às lágrimas durante o hino.

O Mundial do Catar vem sendo a "copa dos protestos", mas, diferente de outras nações, os iranianos não estão se manifestando contra o país anfitrião ou contra a Fifa: eles protestam contra a situação que se desenrola em seu próprio país.  Há mais de dois meses, os protestos persistem e, como foi visto na última semana, chegaram à maior competição de futebol do mundo.

O governo iraniano, por sua vez, não parece contente com a situação. Segundo reportagem da emissora norte-americana CNN.Os jogadores teriam sido convocados até mesmo para uma reunião com membros do Corpo da Guarda Revolucionária Iraniana após o silêncio durante o hino nacional antes da partida contra a Inglaterra, na qual teriam sido avisados de que suas famílias enfrentariam as consequências caso eles não cantassem o hino outra vez ou caso se juntassem a qualquer protesto político contra o regime.


Fonte: GZH (publicado em 29/11/22) 


Deixo aqui mais uma vez minha solidariedade ao povo iraniano. Que nos próximos mundiais possamos ver os iranianos e todas as nações torcendo com liberdade e com uma torcida unida, erguendo com amor e felicidade sua bandeira por seus atletas e suas seleções!


⚽ Histórico do Seleção do Irã nas Copas do Mundo

 

◉ A Seleção do Irã participou em 2022 de sua sexta edição da Copa do Mundo de Futebol.

◉ A Seleção Iraniana estreou na Copa do Mundo em 1978, na Argentina. 

◉ O Irã foi eliminado na Primeira Fase da Copa do Mundo de Futebol em todas as vezes que competiu no torneio (1978, 1998, 2006, 2014, 2018 e 2022).


Fonte: Quadro de Medalhas 

Linkagens: Surpreendente vitória no segundo jogo do Irã na Copa

25/11/2022



Salam amigos, hoje trago o resumo de notícias sobre  a segunda partida do Irã na Copa do Mundo do Qatar, que aconteceu nesta sexta, 25/11. Em um momento turbulento de sua história e com uma torcida ainda dividida entre os protestos e o apoio, a seleção iraniana teve sem dúvida uma vitória surpreendente e contra todas as probabilidades com dois gols nos minutos finais!

📰 Notícias publicadas em 21/11/22

Irã domina o jogo e vence País de Gales nos acréscimos


Seleção do Irã comemora vitória sobre País de Gales na Copa do Mundo do Catar (Crédito: REUTERS/Hannah Mckay)

Irã e País de Gales abriram nesta sexta (25) a segunda rodada da Copa do Mundo do Qatar com um jogo pra lá de emocionante. Depois de levar uma goleada de 6 a 2 para a Inglaterra na estreia, o time iraniano reagiu, dominou a equipe galesa durante quase todo jogo e, já nos acréscimos, com um jogador a mais em campo, conseguiu dois gols para vencer a partida por 2 a 0, marcados por Rozbeh Cheshmi e Ramin Rezaeian.

Com a vitória, o Irã vai a 3 pontos e assume o 2º lugar do grupo, liderado pela Inglaterra, que soma os mesmos três e fica à frente pelo saldo de gols. Os Estados Unidos estão em 3º, com um ponto, enquanto País de Gales assume a lanterna da chave, também com um, mas com saldo menor.

Gol do Irã anulado, bolas na trave e cartão vermelho para Gales...

Ali Gholizadeh quase abriu o placar para o Irã  (Imagem: Maddie Meyer - FIFA via Getty Images)

Com a torcida iraniana apoiando mais do que na estreia, por pouco o time não abriu o placar com o gol marcado por Gholizadeh, que acabou anulado pelo VAR e o placar seguiu 0 a 0. No segundo tempo, o Irã mais uma vez ficou muito perto de fazer 1 a 0, com Sardar Azmoun e Ali Gholizadeh acertando na trave...


Em um contra-ataque de perigo, o Irã o goleiro galês Henessey abandonou a sua área para cortar lançamento e fez falta dura, acertando o joelho no rosto do adversário Taremi. Inicialmente, o árbitro mostrou só amarelo, mas, após recomendação do VAR e revisão do lance no monitor de vídeo, aplicou o vermelho.


Enfim, gol em dose dupla! 

Rezaeian (camisa 15) marcou o segundo gol de Irã | Foto: Anne-Christine POUJOULAT / AFP


Com um jogador a mais, o Irã, depois de muito insistir, já nos acréscimos, enfim foi premiado com um gol marcado por Rozbeh Cheshmi aos 53min e dois minutos depois, por Ramin Rezaeian! 


Fonte: Uol 


Técnico Carlos Queiroz se emociona com vitória do Irã e elogia jogadores 

Jogadores carregam o técnico Queiroz em comemoração à vitoria (Crédito: Getty Images) 

A sensacional vitória do Irã sobre País de Gales, por 2 a 0, nesta sexta-feira, em Al Rayyan, pela segunda rodada do Grupo B da Copa do Mundo do Catar, deixou emocionado o técnico Carlos Queiroz, que expôs toda sua satisfação com o resultado na entrevista após o jogo.


"Não tenho palavras para mostrar minha gratidão. Eles (jogadores) vinham de uma situação muito difícil, mas hoje só pensaram em futebol. Jogaram sem medo e fizeram o que sabem. Não mudei nada. Foram só os jogadores", disse o treinador português, referindo-se ao fato de o time ter perdido por goleada por 6 a 2 para a Inglaterra e o momento conturbado pelo qual passa o país.

"Nós merecemos a vitória. Meus meninos foram brilhantes", disse o treinador português, Queiroz, de 69 anos, que também ofereceu esta vitória para o povo iraniano. "Também sou grato aos fãs que nos apoiaram. Eles também merecem esta vitória. Nós queríamos dar alegria, felicidade e orgulho a eles. No outro dia não pudemos vencer, mas desta vez fechamos a ferida da partida contra a Inglaterra."


Fonte: Terra


Jogadores do Irã cantam hino, e torcida se mistura entre vaias e emoção


Jogadores do Irã, durante o hino nacional, em partida contra País de Gales (Foto: REUTERS/Marko Djurica)

Ao contrário da estreia, contra a Inglaterra, os jogadores do Irã cantaram, ainda que de forma tímida, o hino nacional do país na partida contra o País de Gales, nesta sexta-feira. Parte da torcida, no entanto, vaiou com força no momento, em ato de apoio aos protestos que acontecem no país desde setembro. Na primeira rodada, a seleção iraniana permaneceu em silêncio na execução do hino, e o ato foi visto como uma posição favorável à revolução que ocorre no país. 


Alguns iranianos se emocionaram, especialmente as mulheres, que são o ponto central dos protestos na nação e são proibidas de ir aos estádios no país. Com a bola rolando, a torcida do Irã se uniu no apoio ao país e canta com força o nome da seleção. Na torcida do Irã no estádio foi possível ver mulheres que exibiam mensagens como “Libertem o Irã” e “Vidas femininas importam”. Alguns torcedores tiveram itens confiscados pela guarda do estádio. 


Fonte: GE


Seleção do Irã deixa recado carinhoso no vestiário: "Até o próximo jogo"


Mensagem da seleção iraniana no vestiário — Foto: Digulgação/ Iran National Team

A seleção do Irã deixou um recado carinhoso no vestiário após sua vitória por 2 a 0 no País de Gales. Em um quadro branco, o time iraniano agradeceu a todos os envolvidos na partida e disse: "até o próximo jogo".

O agradecimento foi direcionado a "todos". De acordo com a assessoria oficial da seleção iraniana, o recado é para "os torcedores do Irã, os torcedores galeses, times e comissões técnicas e todos os que estão envolvidos neste evento grandioso".

Ao final do jogo, o time do Irã foi aplaudido pela torcida de Gales. O gesto foi celebrado pela delegação iraniana, que compartilhou o momento em suas redes sociais.

Fonte: GE 

Jogador Voria Ghafouri preso no Irã após protesto da seleção na Copa do Mundo


Jogador iraniano Voria Ghafouri (Crédito: AFP) 

O jogo acontece um dia após mais um capítulo da triste história que vem sendo escrita no Irã. A polícia do Irã prendeu nesta quinta-feira, 24, um dos jogadores de futebol mais famosos do país, acusando-o de espalhar propaganda contra a república islâmica e tentar minar a seleção nacional da Copa do Mundo. 


Voria Ghafouri, ex-capitão do clube Teerã Esteghlal, é um ativo defensor da minoria curda iraniana, e  já havia sido detido anteriormente por criticar o ex-ministro das Relações Exteriores do Irã. O jogador de 35 anos fez parte da seleção do Irã na Copa do Mundo de 2018, mas não foi incluído na escalação final da edição deste ano no Catar. 


Recentemente, Ghafouri postou uma foto no Instagram vestindo roupas tradicionais curdas nas montanhas do Curdistão, e também visitou feridos nos protestos que varrem o país desde a morte de Mahsa Amini. Em anos anteriores, o jogador também protestou contra a proibição de mulheres iranianas entrarem nos estádios. 


Fonte: Veja


Você sabia? 

Irã e país de Gales se enfrentaram antes uma única vez em um amistoso em 1978. Na ocasião, País de Gales venceu o Irã por  1 a 0. 

É a primeira vez que o Irã vence um time europeu em toda sua história nas Copas. 


 PRÓXIMO JOGO DO IRÃ NA COPA  



A última rodada do Grupo B da Copa do Mundo está marcada para a próxima terça-feira, dia 29. Com os dois jogos acontecendo ao mesmo tempo, às 16h (horário de Brasília) País de Gales e Inglaterra se enfrentam no Al Rayyan, enquanto Irã e Estados Unidos jogam no Al Thumama.

Linkagens: A difícil estreia do Irã na Copa do Qatar

21/11/2022



Salam amigos, nas linkagens de hoje, trago um resumo de algumas notícias sobre a estreia do Irã na Copa do Mundo no Qatar nesta segunda-feira (21/11). Assim como os últimos meses tem sido marcados por protestos, luto, dor e tristeza para o povo iraniano, a partida de hoje também foi atravessada por uma série de imagens marcantes que parecem refletir o momento atual do país. 

📰 Notícias publicadas em 21/11/22

"Inglaterra derrota Irã por 6 a 2 em estreia na Copa do Mundo"


Sterling da Inglaterra marca o terceiro gol na partida contra o Irã. Crédito: REUTERS/Hannah Mckay

A Inglaterra venceu o Irã, por 6 a 2, nesta segunda-feira, 21, no estádio Khalifa International, pela primeira rodada do grupo B da Copa do Mundo de 2022. Os gols que garantiram a vitória foram feitos por Bukayo Saka, Jude Bellingham, Marcus Rashford, Raheem Sterling e Jack Grealish, enquanto os gols iranianos foram de Mehdi Taremi.

Candidata ao título e favorita para vencer a partida, a Inglaterra começou o jogo como era o esperado: com a bola. Para tentar furar uma linha de cinco defensores com mais quatro meio-campistas do time adversário, a forte pressão e a ofensividade foram as armas. Na contramão disso, uma lesão do goleiro iraniano Alireza Beiranvand fez a partida ficar paralisada por mais de 10 minutos.


Inglaterra e Irã voltam a campo na próxima sexta-feira, 25. Os ingleses enfrentam os Estados Unidos, com a possibilidade de cravar a classificação. Enquanto isso, os iranianos jogam contra o País de Gales, em jogo de “vida ou morte” na competição.

 

Fonte: Placar 


"Jogadores do Irã não cantam o hino em estreia na Copa"

Jogadores do Irã em silêncio durante o hino nacional (Crédito: Julian Finney/Getty Images)

Os jogadores da seleção de futebol do Irã optaram por não cantar o hino de seu país antes da partida da Copa do Mundo contra a Inglaterra nesta segunda-feira (21), em uma aparente demonstração de apoio aos manifestantes do país. Todos os 11 jogadores titulares ficaram em silêncio enquanto o hino era tocado no Khalifa International Stadium.

O técnico, o português Carlos Queiroz, admitiu que os jogadores de sua equipe estão sofrendo com a pressão dos protestos no país, depois da goleada sofrida para a Inglaterra (6-2) na estreia nesta segunda-feira pelo Grupo B da Copa do Mundo.

O capitão Ehsan Hajsafi tinha dito que a equipe decidiria de forma conjunta se cantaria ou não em solidariedade às manifestações, que começaram após a morte de Mahsa Amini, de 22 anos.

Fonte: G1


"Em meio a protesto por direitos, torcedora chora durante hino do Irã" 

Torcedora iraniana chora durante o hino nacional - Foto: Reprodução/Internet

Antes de a bola rolar, protestos. Torcedores se manifestaram a favor dos direitos de mulheres no pré-jogo de Inglaterra e Irã, nesta segunda-feira, em Doha, no Catar. As imagens da transmissão também mostraram uma mulher chorando durante o hino do Irã - as mulheres estão proibidas de entrarem nos estádios no país. Os jogadores da seleção não cantaram o hino, o que foi interpretado como uma forma de protesto também.

FonteGE - Globo


"Com nariz fraturado, goleiro do Irã pode ficar fora do restante da Copa"


O goleiro Alireza Beiranvand sofre uma séria lesão no início do jogo (Crédito: Fadel Senna / AFP)

A participação do goleiro Alireza Beiranvand, do Irã, na Copa do Mundo do Qatar durou pouco tempo. Antes mesmo dos dez minutos do primeiro tempo, o titular da seleção iraniana acabou se chocando com Majid Hosseini, seu companheiro de equipe. Após passar alguns minutos sendo atendido [com forte sangramento nasal e suspeita de concussão cerebral], Beiranvand tentou voltar ao jogo, mas não durou muito e pediu para ser substituído.

Após deixar o campo, Beiranvand foi levado diretamente a um hospital da região para fazer exames. De acordo com as informações da imprensa europeia, o goleiro do Irã teve uma fratura constatada no nariz e agora vai passar por um período de recuperação. 

Com a saída de Beiranvand, [o goleiro estreante] Hossein Hosseini, que atuou durante o restante do jogo com a Inglaterra e deverá assumir o posto de titular no restante da Copa do Mundo. Após receber o tratamento no hospital, Beiranvand terá um prazo de quatro dias para se recuperar e tentar estar em campo na segunda rodada da fase de grupos da Copa do Mundo.

Fonte: Uol Esportes


"O que está acontecendo no Irã que reflete no time da Copa do Catar?"


Mehdi Taremi (dir.) comemora o gol do Irã diante da Inglaterra na Copa do Mundo (Crédito: Paul ELLIS / AFP)

Nos últimos meses, o futebol no Irã foi cercado de pequenos atos de desafio contra o regime em meio a protestos generalizados no país [após a morte da jovem Mahsa Amini, em setembro]. A recusa do craque Sardar Azmoun em celebrar o gol de empate contra o Senegal e o movimento de vários jogadores mudando suas fotos de perfil de mídia social para preto são dois exemplos. 

Foi no meio dessa agitação que a seleção iraniana viajou pelo Golfo Pérsico até o Catar, onde [na primeira fase] enfrenta dois dos rivais geopolíticos mais ferozes do país, a Inglaterra e os Estados Unidos, que estão em busca de vitórias. 

Embora o seu atacante mais famoso, Azmoun, tenha demonstrado apoio aos manifestantes, muitos dos outros jogadores da seleção nacional permaneceram relativamente quietos. Já o ex-jogador Ali Daei, um grande ídolo do futebol no Irã, também apoiou publicamente os manifestantes e se recusou a participar da Copa do Mundo.

No caminho para a Copa do Mundo no Catar, houve apelos para que o Irã fosse expulso do torneio. Na estreia contra a Inglaterra nesta segunda-feira, em uma aparente demonstração de apoio aos manifestantes em casa, o time optou por não cantar o hino nacional.

Com o time estreando com derrota para Inglaterra no segundo dia do torneio, todos os olhos estavam em seus jogadores – e as conversas iam muito além do futebol. O futebol parece de menor importância na sequência do luto que os iranianos têm experimentado nos últimos meses. Quando a seleção de futebol do Irã estiver em campo na Copa do Mundo, o momento vai se misturar com a luta pelo futuro do Irã.

Fonte: CNN Brasil 


Você sabia? 


Essa foi a primeira vez que o Irã enfrentou a Inglaterra na história das Copas. O Irã nunca venceu uma partida de estreia nos mundiais e a partida de estreia na Copa do Catar foi a maior goleada já sofrida pelo time. 

Na próxima partida, na sexta-feira 25/11 às 07h00 o Irã enfrenta a Seleção do País de Gales. 


 PRÓXIMAS PARTIDAS DO IRÃ NA COPA DO QATAR (GRUPO B) 



Linkagens: A Copa do Mundo e os protestos no Irã

19/11/2022


Salam amigos! A partir deste domingo com a estreia da  Copa do Mundo no Qatar, eu gostaria de trazer como sempre fiz em anos anteriores, as linkagens de notícias sobre os atletas iranianos e seu desempenho no mundial. Mas como estamos consternados pelos protestos no Irã que continuam há quase 2 meses, vou tentar trazer resumos de algumas notícias mais recentes do Irã na Copa porém, dialogando com o momento atual. 



"Jogadores do Irã enviam condolências às famílias de vítimas em manifestações no país"


O meio-campista iraniano Vahid Amiri e o goleiro Hossein Hosseini em coletiva, em Doha (Crédito: Fadel Senna/ AFP)

Dois jogadores iranianos que vão participar do Mundial do Qatar enviaram, neste sábado (19), suas condolências às famílias das vítimas que morreram nos protestos violentos que ocorrem no país e manifestaram "a sua solidariedade".

"Gostaria que soubessem que estamos ao seu lado", disse o goleiro substituto Hossein Hosseini em entrevista coletiva em Doha, dois dias antes do Irã estrear no torneio contra a Inglaterra, correspondente ao grupo B. Por sua vez, o atacante Vahid Amiri, também expressou sua "solidariedade às famílias que perderam seus entes queridos".

Vários jogadores da seleção iraniana expressaram seu apoio ao levante nas redes sociais, usando braçadeiras pretas durante as partidas ou se recusando a cantar o hino nacional. A estrela do 'Team Melli', Sardar Azmoun, manifestou seu apoio ao movimento de protesto em diversas mensagens nas redes sociais e denunciou a repressão em seu país.

Fonte: R7 (publicado em 19/11/22)


"Entenda como os protestos no Irã afetam a seleção na Copa do Mundo"


Seleção do Irã no amistoso contra o Senegal em Viena, Áustria, em setembro. (Crédito: Johannes Friedl/ GEPA / PANORAMIC)

A seleção do Irã disputará a Copa do Mundo do Catar em meio a um cenário de caos interno no país. Com parte da população nas ruas protestando, o debate sobre a violência e a restrição de direitos das mulheres promovidas pelo governo divide espaço com o futebol.

No amistoso contra Senegal no fim de setembro, todos os atletas entraram para a cerimônia de hino nacional com agasalhos pretos que cobriam a camisa de jogo. Isso aconteceu enquanto manifestantes protestavam do lado de fora do estádio em que acontecia a partida em Viena. Os nomes de Karimi e Azmoun foram cantados pelos manifestantes, que também cobraram por justiça por Mahsa Amini.

Os protestos também geraram impactos internos na seleção. Os jogadores iranianos foram instruídos a permanecer em silêncio sobre o tema e serem "apolíticos". A FIFA encorajou que os atletas de todos os países foquem no futebol e não em questões políticas. No entanto, a ordem foi ignorada pelo meio campista Ali Karimi e pelos atacantes Sardar Azmoun e Mehdi Taremi, que se manifestaram a favor dos protestos em suas redes sociais.

Já o atacante iraniano Alireza Jahanbakhsh se posicionou contra as constantes perguntas da imprensa sobre os protestos em uma entrevista coletiva. "Estamos a 4 dias do maior jogo de nossas vidas, todos estão pensando nisso. (...) Todos nós só estamos pensando e falando sobre futebol. Essa é a minha resposta e de todos os jogadores que estão representando o Irã" - afirmou o jogador.

Fonte: O Globo  (publicado em 17/11/22)

"Técnico do Irã diz que jogadores podem protestar na Copa seguindo as regras da FIFA" 


Carlos Queiroz, técnico da Seleção do Irã (Crédito: Reuters/Suhaib Salem)

De acordo com a Reuters, o técnico Carlos Queiroz declarou: “Os jogadores são livres para protestar como o fariam se fossem de qualquer outro país, desde que isso esteja de acordo com os regulamentos da Copa do Mundo e dentro do espírito do jogo”.

Ainda segundo a Reuters, durante a entrevista coletiva Queiroz se envolveu numa discussão acalorada com um repórter do canal britânico Sky, que perguntou: “Tudo bem para você representar na Copa do Mundo um país como o Irã, que reprime os direitos das mulheres?” O treinador português respondeu: “Quanto você está me pagando para responder a essa pergunta?… Não coloque palavras na minha boca”.“Acho também que você deveria começar a pensar no que aconteceu com os imigrantes na Inglaterra. Pense nisso”.

Queiroz convocou o astro Sardar Azmoun para integrar a seleção do Irã na Copa, apesar de seus comentários públicos de apoio aos protestos contra o governo. Azmoun fez diversos posts nas redes sociais em apoio às manifestações lideradas por mulheres.

Fonte: CNN Brasil (publicado em 15/11/22)


"Ídolo do futebol iraniano se recusa a participar da Copa do Mundo por conta de protestos no Irã"


Ali Daei, ídolo do futebol iraniano durante o sorteio da  FIFA Qatar 2022 (Crédito: Marcio Machado/Eurasia Sport Images/Getty Images)

De acordo com  notícia do site CNN Brasil, o maior artilheiro da Seleção Iraniana de Futebol, Ali Daei, disse na última segunda-feira (15) que recusou o convite para participar da Copa do Mundo, que acontece no Catar, em “solidariedade” às manifestações que ocorrem no Irã.


“Respondi não ao convite oficial da FIFA e da Federação de Futebol do Catar para participar da Copa do Mundo, com a minha esposa e filhas, para estar com vocês na minha terra natal e expressar a minha solidariedade a todas as famílias que perderam seus entes queridos nestes dias”, disse ele.


Daei tem sido um defensor dos protestos que ocorrem em todo o Irã, que eclodiram quando Mahsa Amini, de 22 anos, morreu em setembro depois de ser detida pela polícia local.


O ex-jogador iraniano de 53 anos marcou 109 gols pelo Irã entre 1993 e 2006, e tinha o recorde de jogador com mais gols por uma seleção, que foi quebrado pelo por Cristiano Ronaldo no ano passado.


Fonte: CNN Brasil (publicado em 15/11/22)


O Irã estreia na Copa 2022 na segunda-feira 21/11 contra a Inglaterra, às 10h. Na história das Copas o Irã nunca se classificou para as eliminatórias. Alguém arriscaria um palpite? 


 PARTIDAS DO IRÃ NA COPA DO MUNDO (Grupo B) 




Nossa maior torcida é pelo futuro do Irã...


Apesar de o governo ter restringido a internet e os aplicativos de mídias sociais no Irã, continuo a acompanhar nas redes sociais, meu amigos iranianos (aqueles que conseguem utilizar VPN) a compartilhar diariamente seus stories de protesto e no momento atual, não é raro encontrar postagens sobre a Copa em persa, com comentários que expressam o desânimo em torcer pelo futebol e sua seleção nacional diante dos acontecimentos recentes. 


Venho como sempre expressar toda minha solidariedade à luta do povo iraniano e que assim que a competição acabar, independente de qual seja o resultado dos jogos, que seus atletas e astros do futebol continuem dando voz ao desejo de seus compatriotas por mais liberdade e justiça!  


E você, o que acha sobre a participação do Irã na Copa do Qatar?  Deixe um comentário! 

9 Filmes iranianos na 46ª Mostra Internacional de Cinema de SP

24/10/2022

Mostra 2022 - Filmes do Irã


Salam amigos! Está acontecendo a 46ª edição da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. A programação deste ano apresenta 223 títulos de 60 países, em sessões espalhadas por 22 salas da capital paulista. 

E do total de filmes que serão apresentados nestas duas semanas do evento, 9 são de diretores iranianos, dentre os quais vários marcaram passagem nos maiores festivais do mundo como Veneza, Cannes e Berlim. 

A lista de filmes iranianos desta edição promete muitas surpresas com destaque para dramas impactantes e produções de novos diretores. Além de incluir  os aclamados diretores Jafar Panahi e Mitra Farahani, e atores renomados como Navid Mohammadzadeh, Peyman Maad, Leila Hatami e Taraneh Alidoosti.



Mostra 2022 - Filmes do Irã
Além das Paredes, 2022 (Imagem: Divulgação)

Shab, Dkheli, Divar

Irã 2022 Ficção Cor 126 min

Direção: Vahid Jalilvand

Elenco:  Navid Mohammadzadeh, Diana Habibi, Amir Aghaee, Saeed Dakh, Danial Kheirikhah, Alireza Kamali


Ali, um homem cego, está prestes a cometer suicídio quando é interrompido pelo zelador do seu prédio. Ele é informado que a polícia procura uma mulher que fugiu e estaria escondida em algum lugar do edifício. Ele se dá conta que a mulher fugitiva, Leila, se encontra dentro de seu apartamento. Depois de participar de uma greve de trabalhadores que se transformou em um absoluto caos, ela se vê desesperada pelo filho de quatro anos, que perdeu de vista quando foi levada pela polícia. Aos poucos, Ali se afeiçoa a ela e, para fugir da realidade, decide ajudar Leila e se refugiar em seu mundo de imaginação.

Exibido nos festivais de Veneza e Toronto.

📽Assista o trailer 

Está difícil... mas, precisamos falar sobre o que está acontecendo no Irã

23/09/2022


Salam amigos! Normalmente falo somente sobre temas de arte e cultura do Irã, aqui na minha página. Mas há dias, acompanho nos stories do Instagram dos meus amigos iranianos e das minhas páginas favoritas, diversas manifestações de revolta, tristeza e indignação sobre a morte da jovem Mahsa Amini. 


Por todo o Irã, estão acontecendo protestos, e infelizmente, há dezenas de mortos e centenas de feridos nos confrontos entre a polícia e os manifestantes. E desde quarta-feira (21/09), as mídias sociais como o WhatsApp e o Instagram estão bloqueados no Irã. 


Por esse motivo, em solidariedade ao nossos queridos amigos iranianos, especialmente às corajosas mulheres que lutam por seus direitos, farei uma pausa em minhas publicações normais.  


Por experiências anteriores, evito postar conteúdos negativos sobre o Irã no meu Feed, porque infelizmente há muitos comentários de ódio, que não trazem nada de construtivo para o meu trabalho. Mas sigo atenta às notícias e em breve, trarei alguma postagem pertinente.

O Dia da Literatura Persa e do Poeta Shahriar

18/09/2022

 18 de setembro é o Dia da Literatura Persa. Esta data também celebra um dos mais notáveis ​​poetas iranianos.

Salam amigos! No dia no dia 27 do mês de Shahrivar do calendário iraniano (que este ano corresponde ao dia 18 de setembro no calendário gregoriano), é celebrado o Dia da Literatura e Poesia Persa. Esta data também marca o aniversário da morte de um dos mais notáveis ​​poetas iranianos, Mohammad-Hossein Behjat Tabrizi, conhecido como Shahriar.


Shahriar, pertence a época dos poetas iranianos contemporâneos. Ele nasceu em 1906 em Tabriz, capital da atual província do Azerbaijão Oriental, no Irã.  Recebeu educação preliminar na sua cidade antes de se mudar para a capital Teerã, onde primeiro estudou na famosa escola Dar ul-Funun (politécnica) e depois em uma faculdade de medicina.


Consumido por um amor não correspondido, ele desistiu da medicina pouco antes da formatura e trabalhou como bancário por anos. Mesmo assim, Shahriar se destacou na escrita de poesia, baseando-se em muitas de suas próprias memórias para criar peças literárias.


Oh lua, você conforta meu coração dolorido esta noite
Afinal, oh lua, na minha angústia você compartilha
O lento declínio de sua vida, eu sei, e só eu sei
Como, ao se separar do sol, você sofre

(Trecho do poema Ney-e maḥzun de Shahriar, 1967)


Fotografia do poeta Shahriar - Domínio público. 

Ele compôs poemas nas línguas persa e turco azeri, por isso é celebrado como uma figura influente na literatura persa e azerbaijana. Publicou seu primeiro livro de poemas em 1929, com prefácios de Mohammad Taqi Bahar, Saeed Nafisi e Pejman Bakhtiari.


Sua obra mais famosa é Heidar Babaya Salam (1954), um poema dedicado à sua aldeia natal, traduzido para mais de 30 idiomas. Suas principais influências são o poeta clássico persa Hafez e Khasta Qasim, um poeta do azeri do século XVIII.


As obras de Shahriar também eram muito populares entre as pessoas comuns porque ele usava amplamente a linguagem coloquial em seus poemas, o que tornava sua compreensão mais fácil e acessível. 


Ao contrário de muitas outras figuras de seu tempo, Shahriar raramente se envolvia em problemas políticos e ideologias. Ele era, no entanto, conhecido por seu nacionalismo ávido.


Shahriar morreu em 18 de setembro de 1988 em Teerã, aos 82 anos. Seu corpo foi transferido para sua cidade natal, Tabriz e foi enterrado no  Maqbarat-o-shoara (Mausoléu dos Poetas). O aniversário da morte de Shahriar foi declarado o Dia da Literatura e Poesia Persa para homenagear sua contribuição à poesia persa contemporânea.

 Busto do poeta Shahriar em frente ao Maqbarat-o-shoara (Mausoléu dos Poetas) em Tabriz - Imagem do site: See Iran


Heydar Baba, quando o trovão ressoa nos céus,
Quando as inundações rugem pelas encostas das montanhas,
E as meninas fazem fila para vê-lo passar,
Envie minhas saudações aos membros da tribo e ao povo da aldeia
E lembre-se de mim e do meu nome mais uma vez.

Heydar Baba, quando os faisões voam,
E os coelhos correm do arbusto florido,
Quando seu jardim explodir em plena floração,
Que aqueles que se lembram de nós vivam muito
E que nossos corações entristecidos se alegrem.

Quando o vento de março derruba os caramanchões,
Prímula e gotas de neve aparecem da terra congelada,
Quando as nuvens esvoaçarem suas camisas brancas,
Vamos ser lembrados mais uma vez
Deixe nossas tristezas subirem como uma montanha.

Heydar Baba, deixe suas costas levarem a marca do sol.
Deixe seus córregos chorarem e seu rosto brilhar com sorrisos.
Deixe seus filhos montarem um buquê
E envie para nós quando o vento soprar assim
Para que, talvez, nossa sonolenta fortuna seja despertada.

Haydar Baba, que suas sobrancelhas sejam brilhantes.
Que você seja cercado por riachos e jardins.
E depois de nós, que você viva muito.
Este mundo está cheio de infortúnios e perdas.
O mundo está repleto de pessoas despojadas de filhos e órfãs.

Heydar Baba, meus passos nunca cruzaram sua passagem.
Minha vida foi gasta, tornando-se tarde demais para visitá-lo
Eu não sei o que aconteceu com todas aquelas lindas garotas.
Nunca soube de becos sem saída, de caminhos  "sem volta".
Eu nunca soube sobre separação, perda e morte.

 
 (Trecho do poema  Heidar Babaya Salam, 1954, de Shahriartradução livre adaptada do inglês)

🔎FontesEncyclopaedia Iranica: Shahryar, Mohammad Hosayn |Iran Press: National Day of Persian Poetry and Literature (Acessos em: 17/09/22)


_____________________________________________________________________

Desde 2012, o Chá-de-Lima da Pérsia, é o único blog brasileiro dedicado exclusivamente a divulgação da cultura do Irã. Ajude o nosso trabalho a crescer, fazendo uma contribuição solidária:

Setembro, o mês de Rumi

14/09/2022

Setembro, mês de Rumi

       "O mundo é apenas Um, venci o Dois." (Rumi)


Setembro é o mês de aniversário de Jalaluddin Mohammad Balkhi (1207-1273), mais conhecido no Ocidente como Rumi, no Irã como Molavi e na Turquia como Mevlana.

Rumi  nasceu na Pérsia e viveu a maior parte da sua vida em Konya na Turquia, onde fundou a famosa ordem dos dervixes rodopiantes. Brilhante teólogo, poeta e místico Sufi, Rumi passou por uma transformação espiritual em 1244, após o encontro com Shams de Tabriz. 

Em uma época atormentada por guerras e calamidades, Rumi defendia a tolerância ilimitada, a bondade, a caridade e a consciência de si por meio do amor. Seus ensinamentos pacíficos e tolerantes impactaram pessoas de todas as religiões e até hoje continuam influenciando pessoas em todo o mundo.

Este mês, vamos conhecer um pouco mais sobre a vida, ensinamentos, obra e influência de Rumi na cultura contemporânea.


💻Inscreva-se em nosso canal no YouTube e acompanhe a  PLAYLIST ESPECIAL DO MÊS DE RUMI
 
Siga  também o Chá-de-Lima da Pérsia no Facebook Instagram e confira muito mais conteúdos especiais sobre a cultura do Irã.