"Ao Jardim dos Viajantes" - poema de Sohrab Sepehri

29/04/2019

Retrato do poeta Sohrab Sepehri (1928-1980)
Chame, oh me chame
sua voz soa tão bem
sua voz é como a verde essência da erva rara
que cresce na intimidade mais extrema da tristeza.
Nas dimensões desta era de silêncio,
Me sinto mais só que o fragmento de uma canção
ecoando na percepção de uma ruela.
Venha, deixe eu lhe dizer como é vasta a minha solidão
e minha solidão não previu
a magnitude da sua incursão noturna,
tal é a força do amor.
 
Não há ninguém.
Vamos roubar a vida, e depois
dividi-la entre dois encontros.
Vamos tentar entender, você e eu,
algo sobre a natureza da pedra.
Vamos discernir as coisas mais rapidamente.
Veja como as mãos da fonte pulverizam o tempo
na marca circular do lago.
 
Desvaneça como uma palavra na linha do meu silêncio
apague a massa luminosa do amor na palma da minha mão.
 
Tradução livre do inglês para o português realizada por Arlene Clemesha, a partir do livro The Lover is always Alone, Selected Poems –  traduzido do persa para o inglês por Karim Emami, Ed. Shaul Bakhash, 2004, Irã.

(Fonte: Revista Zunái)

Nenhum comentário:

Postar um comentário