"Rumi e o Oceano Voador"

26/09/2019

Teatro Sufi na Lata: "Rumi e o Oceano Voador" 
Por Karima Mayda 
Certo dia Rumi andava pela cidade quando se distanciou o suficiente para ver uma escadinha. Para onde essa escadinha levava Rumi não sabia, e então decidiu ver com seus próprios olhos. Cada passo que Rumi dava em direção a ela, mais ela se aproximava dele, até que uma hora Rumi não sabia onde a escadinha tinha começado ou acabado sobre seus pés. Quando Rumi se deu conta, havia um degrau -apontou- numa costa – Costa PALMEIRA, ele viu um imenso oceano voador cheio de corações a deriva. Uma varinha com uma linha dourada na beirinha da costa avisava que por ali andara algum pescador de corações. Rumi então pegou a vara e começou a pescar, 1, 2 3, 4, 5,6,7 ... vários, muitos corações. E quando já estava para entardecer, o pescador chegou e disse:
- O que faz aí Rumi?
 E  Rumi disse:
- Estava pescando corações nesse imenso oceano voador.
Então o pescador disse:
- Sabe o que que acontece quando alguém pesca muitos corações? Tem o seu próprio fisgado.
Nessa hora Rumi sentiu uma luz tão grande em seu coração que começou a girar, como giram os astros, as estrelas, o cosmos, ele tinha tido seu próprio coração pescado e, no vórtice do infinito ele pergunta para o pescador:
- O que acontece com os corações que não são fisgados?
- Felizes ou tristes? Indaga o pescador;
- Felizes ou tristes! Diz Rumi.
Aguardam a deriva, marés e luas, sóis e enfim ao indivualizarem, na busca, descem pela costa, percorrem os degraus e em algum deles aportam e, até que encontrem as escadas de novo, subam por ela, encontrem a costa marítima e comecem a pescar, ficam como gotas aguardando o momento de formar oceano.
- E com os que pescam e de tanto pescar são pescados? Disse Rumi ainda mais elevado que anteriormente.
- Ahhhhh Esses voam! Ri, a constatar Rumi em pleno voar, o pescador.
Nessa hora o oceano voador levantou asas e levou Rumi. SABE PARA ONDE? Para a PRIMAVERA DE RUMI.
Simmm! Aque está acontecendo agora!
Uma menina me perguntou porque na ponta da linha da vara tinha uma estrela? Eu acho que é porque uma das formas de pescar corações é contando histórias. Quando você conta uma história ascende uma luz no coração da pessoa e dependendo do brilho o coração se lembra da escada! Da costa ... até que um dia ela viaje de novo para a casa, nem que seja NUM OCEANO VOADOR!
Essa mesma menina me perguntou: tem algum jeito de pescar que não seja com vara? Tem! Com rede! Tem gente que gosta de pescar com rede. Perguntei para ela: e você gostar de pescar com que? Ela sorriu. Tem gente que pesca a gente com um simples sorriso!
Sabe porque a linha da vara é dourada? Porque o pescador faz a linha com fio do seu próprio coração. Já as asas do oceano, cheguei a um sentimento de que eram parecidas com a de um pássaro – SIMORGH – o nome dele. 
História cedida gentilmente pela artista visual Karima Mayda, apresentando o "Teatro Sufi na Lata"  durante o evento Primavera de Rumi, no dia 22/09/19, na Casa do Contador de Histórias,  em Curitiba.  

Envie você também o seu conteúdo e participe da Rede Colaborativa do blog Chá-de-Lima da Pérsia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário