Linkagens: O Irã se despede da Copa do Mundo no Qatar

30/11/2022



Salam amigos! Para quem está acompanhando a Copa do Mundo no Qatar, esta parece ser a "copa dos protestos".  Em meios a protestos no país, muitos iranianos não estavam apoiando a seleção nacional. Já dentro dos estádios, uma torcida dividida entre vaias, slogans de protesto pela liberdade das mulheres, apoiadores incondicionais e meros espectadores. A eliminação do Irã na última partida nesta terça (29/11), é comemorada por muitos como uma vitória contra a opressão do governo. Nas linkagens de hoje, o Irã se despede da Copa, mas nos deixa uma reflexão sobre o futuro do povo iraniano.

Estados Unidos vencem o Irã e avançam às oitavas da Copa do Mundo

Pulisic faz o gol decisivo dos Estados Unidos contra a seleção do Irã (Crédito: Odd Andersen/ AFP)

Os Estados Unidos venceram o Irã por 1 a 0, nesta terça-feira, no Estádio Al Thumama, e avançaram às oitavas de final da Copa do Mundo. A seleção norte-americana ficou com a segunda vaga do grupo B, com cinco pontos (atrás da Inglaterra). O Irã batalhou até o fim atrás do gol de empate que o colocaria no mata-mata. Ficou em terceiro, com três pontos, e se despede da Copa.


Os Estados Unidos precisavam da vitória para se classificarem e começaram a partida bem seguros, apostando no poder ofensivo, principalmente pelos lados. Com pouca criatividade no meio-campo, a seleção iraniana tinha dificuldade de fazer a ligação direta entre defesa e ataque no primeiro tempo.


A seleção americana conseguiu furar a boa marcação dos iranianos para fazer o primeiro gol, com Pulisic. No lance, o jogador teve um choque com o goleiro iraniano e recebeu atendimento médico, sendo substituído no intervalo. Já o goleiro do Irã  Beiranvand, que ficou fora da segunda rodada por ter quebrado o nariz em um choque na partida de estreia, jogou como titular na partida decisiva.


No segundo tempo, os americanos mantiveram o ritmo de jogo nos minutos iniciais e tentaram ampliar o placar. Aos seis minutos, o Irã teve a primeira finalização no jogo com Ghoddos. Depois desse lance, os iranianos tentaram controlar mais o jogo por meio de troca de passes. Sem eficiência, não conseguiram o empate.


Nos minutos finais, a seleção do Irã pressionou mais com bolas cruzadas na área. Pouraliganji por pouco não fez o gol em uma cabeçada nos acréscimos. 


Fonte: Lance  (publicado em 29/11/22) 


Jogador do Irã chora com eliminação na Copa do Mundo, agradece apoio da torcida

O volante Saeid Ezatolahi chora com a derrota da Seleção Iraniana  (Foto:Fadel Senna / AFP)

O volante Ezatolah ficou abalado com a eliminação, mas agradeceu ao apoio dos torcedores no Mundial. 

"Antes de tudo, quero agradecer a todos os nossos torcedores, que hoje nos apoiaram como sempre. A única coisa que posso dizer a eles que realmente sinto muito. Em nome dos antigos jogadores e do nosso grupo, não tivemos a oportunidade de nos classificar para a próxima fase. Mas o futebol e a vida estão acontecendo, então, isso pode ser uma boa lição para nós. Pelo menos para os nossos jovens jogadores, como eu, e para o futuro. Espero que os nossos fãs e nosso povo no Irã nos perdoem" - disse o jogador.


Fonte: Terra  (publicado em 29/11/22) 


Técnico Carlos Queiroz se despede do Irã após eliminação na Copa do Mundo

Técnico Carlos Queiroz se despede da seleção do Irã após a última partida  (Crédito: Instagram)

Nesta quarta-feira, o técnico português Carlos Queiroz utilizou as suas redes sociais para se despedir da seleção iraniana:

"Rapazes e queridos amigos, no futebol não há essa coisa de vitórias morais, mas também não é contrário à moral quando não alcanças os teus sonhos, desde que tenha dado o teu melhor com toda a vontade e mentalidade vencedora. Estou orgulhoso de vocês, foram mais uma vez brilhantes dentro e fora do campo", escreveu.


Fonte: Terra  (publicado em 30/11/22) 


Jogadores dos Estados Unidos abraçam jogadores do Irã após a Eliminação da Copa do Mundo 

O zagueiro iraniano Ramin Rezaeian e o atacante dos EUA  Timothy Weah conversam amigavelmente após a partida (Crédito: Divulgação) 

Em um exemplo de empatia de classe mundial, vários membros da seleção dos Estados Unidos consolaram seus oponentes após o apito final. O exemplo mais visível disso veio quando o zagueiro Antonee Robinson foi visto consolando o zagueiro iraniano Ramin Rezaeian. Os dois se abraçaram em campo após 100 minutos de jogo. Em outro lugar, Josh Sargent e DeAndre Yedlin, dos EUA, foram vistos conversando com o zagueiro iraniano Saeid Ezatolahi, que estava chorando sentado no chão.

O atacante dos EUA Timothy Weah, mais tarde se juntou a seus companheiros para consolar Ezatolahi, colocando-o de pé e falando em seu ouvido. Mais tarde, ele falou sobre por que sentiu a necessidade de fazer isso:

“Acho que é mais do que apenas futebol”, Weah disse à Fox Sports. “Acho que os Estados Unidos e o Irã tiveram tantos problemas políticos e eu só queria mostrar que somos todos seres humanos e que todos nos amamos. Eu só queria espalhar paz e amor e mostrar a ele que viemos de origens diferentes, crescemos de maneira diferente. Ele ainda é minha família, ele ainda é meu irmão e eu o amo da mesma forma que os caras com quem cresci.”

Embora os Estados Unidos tenham saído vitoriosos, não havia inimigos em campo quando a partida terminou.

Fonte: Jugo Mobile (publicado em 30/11/22) 


 Irã x EUA: entenda por que o confronto na Copa vai muito além do futebol 

Partida entre EUA e Irã em 1998 foi chamada de "jogo da paz" (Crédito: AFP/Pascal George)

Vinte e quatro anos depois do primeiro duelo em uma Copa do Mundo, Irã e Estados Unidos protagonizaram nesta terça-feira (29) um confronto valendo vaga nas oitavas de final da Copa do Catar.


O técnico americano Gregg Berhalter se esforçou para dissipar qualquer conotação não futebolística do jogo contra o Irã: "A partida será muito disputada pelo fato de que as duas equipes querem passar à fase seguinte, não por questões políticas ou de relações entre os nossos países", declarou Berhalter.


A mensagem de Berhalter, porém, foi atropelada pela própria federação de futebol dos Estados Unidos, que causou grande polêmica ao postar uma versão modificada da bandeira nacional iraniana em suas redes sociais. Os porta-vozes da US Soccer justificaram o gesto como sendo um ato de "solidariedade com as mulheres do Irã". A postagem, que posteriormente foi removida, irritou a federação do Irã, que apresentou uma queixa formal à FIFA.


Copa de 1998: "O Jogo da Paz" 


Irã e Estados Unidos já viveram um duelo memorável na Copa do Mundo na França, em 1998, com uma vitória por 2 a 1 para os iranianos no Stade Gerland, em Lyon. Considerado como um momento de destaque daquele Mundial desde o sorteio dos grupos e batizado como "Jogo da Paz", o confronto aconteceu um ano depois da eleição de Mohammad Khatami como presidente do Irã, que marcou um período de reaproximação entre o Irã e o Ocidente.


No momento da entrada das equipes em campo, ambas as seleções posaram juntas para fazer uma foto histórica. Os iranianos, classificados pela segunda vez em sua história para disputar um Mundial desde 1978, inclusive ofereceram um ramo de flores brancas a cada jogador dos EUA.


Ao final, o Irã ganhou, e milhares de pessoas foram às ruas de Teerã para cantar e dançar. "Fizemos mais em 90 minutos do que os políticos em 20 anos", afirmou na época o zagueiro americano Jeff Agoos.


Mas a vitória não foi suficiente para levar o time às oitavas de final. A seleção iraniana acabaria sendo eliminada após derrota para a Alemanha por 2 a 0, também na fase de grupos.


Fonte: G1  (publicado em 29/11/22) 


Por que torcedores e jogadores iranianos protestam na Copa do Mundo?

Torcida do Irã com uma faixa, em inglês, com os dizeres: "mulher", "vida" e "liberdade" (Crédito: Fadel Senna / AFP)

Primeiro, os jogadores iranianos não cantaram o hino em sua estreia na Copa do Mundo, contra a Inglaterra. Depois, após a grande repercussão do ato, murmuraram versos antes da vitória frente ao País de Gales. Agora, nesta terça-feira (29), mais uma vez voltaram a cantar a canção sem muito entusiasmo antes da partida com os Estados Unidos.

Nas arquibancadas, os torcedores foram mais diretos. Vaiaram o hino no primeiro jogo. Levaram bandeiras e cartazes defendendo “a vida”, “a liberdade” e “as mulheres” no segundo. Usaram camisetas com o nome da jovem  Mahsa Amini no terceiro. Foram, literalmente, às lágrimas durante o hino.

O Mundial do Catar vem sendo a "copa dos protestos", mas, diferente de outras nações, os iranianos não estão se manifestando contra o país anfitrião ou contra a Fifa: eles protestam contra a situação que se desenrola em seu próprio país.  Há mais de dois meses, os protestos persistem e, como foi visto na última semana, chegaram à maior competição de futebol do mundo.

O governo iraniano, por sua vez, não parece contente com a situação. Segundo reportagem da emissora norte-americana CNN.Os jogadores teriam sido convocados até mesmo para uma reunião com membros do Corpo da Guarda Revolucionária Iraniana após o silêncio durante o hino nacional antes da partida contra a Inglaterra, na qual teriam sido avisados de que suas famílias enfrentariam as consequências caso eles não cantassem o hino outra vez ou caso se juntassem a qualquer protesto político contra o regime.


Fonte: GZH (publicado em 29/11/22) 


Deixo aqui mais uma vez minha solidariedade ao povo iraniano. Que nos próximos mundiais possamos ver os iranianos e todas as nações torcendo com liberdade e com uma torcida unida, erguendo com amor e felicidade sua bandeira por seus atletas e suas seleções!


⚽ Histórico do Seleção do Irã nas Copas do Mundo

 

◉ A Seleção do Irã participou em 2022 de sua sexta edição da Copa do Mundo de Futebol.

◉ A Seleção Iraniana estreou na Copa do Mundo em 1978, na Argentina. 

◉ O Irã foi eliminado na Primeira Fase da Copa do Mundo de Futebol em todas as vezes que competiu no torneio (1978, 1998, 2006, 2014, 2018 e 2022).


Fonte: Quadro de Medalhas 

Nenhum comentário:

Postar um comentário