O Dia da Literatura Persa e do Poeta Shahriar

18/09/2022

 18 de setembro é o Dia da Literatura Persa. Esta data também celebra um dos mais notáveis ​​poetas iranianos.

Salam amigos! No dia no dia 27 do mês de Shahrivar do calendário iraniano (que este ano corresponde ao dia 18 de setembro no calendário gregoriano), é celebrado o Dia da Literatura e Poesia Persa. Esta data também marca o aniversário da morte de um dos mais notáveis ​​poetas iranianos, Mohammad-Hossein Behjat Tabrizi, conhecido como Shahriar.


Shahriar, pertence a época dos poetas iranianos contemporâneos. Ele nasceu em 1906 em Tabriz, capital da atual província do Azerbaijão Oriental, no Irã.  Recebeu educação preliminar na sua cidade antes de se mudar para a capital Teerã, onde primeiro estudou na famosa escola Dar ul-Funun (politécnica) e depois em uma faculdade de medicina.


Consumido por um amor não correspondido, ele desistiu da medicina pouco antes da formatura e trabalhou como bancário por anos. Mesmo assim, Shahriar se destacou na escrita de poesia, baseando-se em muitas de suas próprias memórias para criar peças literárias.


Oh lua, você conforta meu coração dolorido esta noite
Afinal, oh lua, na minha angústia você compartilha
O lento declínio de sua vida, eu sei, e só eu sei
Como, ao se separar do sol, você sofre

(Trecho do poema Ney-e maḥzun de Shahriar, 1967)


Fotografia do poeta Shahriar - Domínio público. 

Ele compôs poemas nas línguas persa e turco azeri, por isso é celebrado como uma figura influente na literatura persa e azerbaijana. Publicou seu primeiro livro de poemas em 1929, com prefácios de Mohammad Taqi Bahar, Saeed Nafisi e Pejman Bakhtiari.


Sua obra mais famosa é Heidar Babaya Salam (1954), um poema dedicado à sua aldeia natal, traduzido para mais de 30 idiomas. Suas principais influências são o poeta clássico persa Hafez e Khasta Qasim, um poeta do azeri do século XVIII.


As obras de Shahriar também eram muito populares entre as pessoas comuns porque ele usava amplamente a linguagem coloquial em seus poemas, o que tornava sua compreensão mais fácil e acessível. 


Ao contrário de muitas outras figuras de seu tempo, Shahriar raramente se envolvia em problemas políticos e ideologias. Ele era, no entanto, conhecido por seu nacionalismo ávido.


Shahriar morreu em 18 de setembro de 1988 em Teerã, aos 82 anos. Seu corpo foi transferido para sua cidade natal, Tabriz e foi enterrado no  Maqbarat-o-shoara (Mausoléu dos Poetas). O aniversário da morte de Shahriar foi declarado o Dia da Literatura e Poesia Persa para homenagear sua contribuição à poesia persa contemporânea.

 Busto do poeta Shahriar em frente ao Maqbarat-o-shoara (Mausoléu dos Poetas) em Tabriz - Imagem do site: See Iran


Heydar Baba, quando o trovão ressoa nos céus,
Quando as inundações rugem pelas encostas das montanhas,
E as meninas fazem fila para vê-lo passar,
Envie minhas saudações aos membros da tribo e ao povo da aldeia
E lembre-se de mim e do meu nome mais uma vez.

Heydar Baba, quando os faisões voam,
E os coelhos correm do arbusto florido,
Quando seu jardim explodir em plena floração,
Que aqueles que se lembram de nós vivam muito
E que nossos corações entristecidos se alegrem.

Quando o vento de março derruba os caramanchões,
Prímula e gotas de neve aparecem da terra congelada,
Quando as nuvens esvoaçarem suas camisas brancas,
Vamos ser lembrados mais uma vez
Deixe nossas tristezas subirem como uma montanha.

Heydar Baba, deixe suas costas levarem a marca do sol.
Deixe seus córregos chorarem e seu rosto brilhar com sorrisos.
Deixe seus filhos montarem um buquê
E envie para nós quando o vento soprar assim
Para que, talvez, nossa sonolenta fortuna seja despertada.

Haydar Baba, que suas sobrancelhas sejam brilhantes.
Que você seja cercado por riachos e jardins.
E depois de nós, que você viva muito.
Este mundo está cheio de infortúnios e perdas.
O mundo está repleto de pessoas despojadas de filhos e órfãs.

Heydar Baba, meus passos nunca cruzaram sua passagem.
Minha vida foi gasta, tornando-se tarde demais para visitá-lo
Eu não sei o que aconteceu com todas aquelas lindas garotas.
Nunca soube de becos sem saída, de caminhos  "sem volta".
Eu nunca soube sobre separação, perda e morte.

 
 (Trecho do poema  Heidar Babaya Salam, 1954, de Shahriartradução livre adaptada do inglês)

🔎FontesEncyclopaedia Iranica: Shahryar, Mohammad Hosayn |Iran Press: National Day of Persian Poetry and Literature (Acessos em: 17/09/22)


_____________________________________________________________________

Desde 2012, o Chá-de-Lima da Pérsia, é o único blog brasileiro dedicado exclusivamente a divulgação da cultura do Irã. Ajude o nosso trabalho a crescer, fazendo uma contribuição solidária:

Nenhum comentário:

Postar um comentário